sábado, 15 de agosto de 2015

Avaliação Mensal de Língua Portuguesa/8º ano


                                                            
Pílulas de Saúde - Driblando o jet lag

Em viagens nas quais há diferença de fuso horário entre a origem e o destino, podem ocorrer sintomas como cansaço, dificuldade de concentração, alteração no sono e irritabilidade. Esse transtorno, conhecido como jet lag, é resultado da dessincronização entre o relógio biológico e o fuso do local.
Para driblar o jet lag, se puder, habitue-se aos novos horários antes de viajar. Ao chegar, coma pouco (prefira proteínas) e exercite-se.
Se o destino for para leste por exemplo, Europa   a adaptação é mais difícil. Portanto, deve-se dormir e acordar mais cedo.
Caso a viagem seja para oeste, como para o Chile, o ideal é dormir e acordar mais tarde.
Se a estada for inferior a 48 horas, não mexa em seu relógio.
(DEMENATO, Paulo. TAM Magazine, no 41, jul.2007, p.19)

01. A finalidade do texto é orientar as pessoas que vão viajar para



A(   ) as serras gaúchas.                               B(  ) cidades históricas de Minas Gerais.
C(   )locais com diferença de fuso horário.   D(  ) praias do Estado do Rio de Janeiro.




02. O transtorno, conhecido como jet lag, pode provocar os seguintes sintomas:



A(   ) fome e cansaço.
B(   ) irritabilidade e desconcentração.

C(   ) alteração no sono e tristeza.
D(   ) alegria e desconcentração.



03. Identifique o trecho que evidência a fala direta do locutor (autor) com o interlocutor (leitor).



A(   ) “Para driblar o jet lag...”
B(   ) “Se o destino for para leste...”
C(   ) “Caso a viagem seja para oeste...”
D(   ) “... não mexa em seu relógio.”



04. A frase que se refere à parte principal do texto é:



A(   ) acostumar-se ao novo fuso.              B(   ) comer muito carboidrato.
C(   ) consultar um mapa astral.                 D(   ) ler o horóscopo do dia.







Para responder às questões de números 05 a 09, leia o texto abaixo. (5 acertos)

Poema esquisito

Dói-me a cabeça aos trinta e nove anos.
Não é hábito. É rarissimamente que ela dói.
Ninguém tem culpa.
Meu pai, minha mãe descansaram seus fardos,
não existe mais o modo
de eles terem seus olhos sobre mim.
Mãe, ó mãe, ó pai, meu pai. Onde estão escondidos?
É dentro de mim que eles estão.
Não fiz mausoléu pra eles, pus os dois no chão.
Nasceu lá, porque quis, um pé de saudade roxa,
que abunda nos cemitérios.
Quem plantou foi o vento, a água da chuva.
Quem vai matar é o sol.
Passou finados não fui lá, aniversário também não.
Pra quê, se pra chorar qualquer lugar me cabe?
É de tanto lembrá-los que eu não vou.
Óóóó pai
Óóóó mãe
Dentro de mim eles respondem
tenazes e duros,
porque o zelo do espírito é sem meiguices:
Óóóói fia.
(Adélia Prado. Poesia Reunida. São Paulo, Ed.Siciliano,1991)
05. Lendo atentamente o poema, verifica-se que esse trata de



A(    ) dor de cabeça.
B(    ) cemitério.
C(    ) saudade.
D(   ) dia de Finados.



06. No verso: "nasceu lá, porque quis, um pé de saudade roxa", ao utilizar-se das palavras em destaque, o “eu-lírico” reforça seu sentimento de



A(    ) saudade.
B(    ) desprezo.
C(    ) alegria.
D(   ) ódio.



07. Nos versos: ó ó ó ó pai e ó ó ó ó mãe, a repetição da vogal “o” indica



A(    ) solenidade na escrita.
B(    ) surpresa.
C(    ) medo.
D(    ) oralidade na escrita.



08. A palavra “cabeça”, escrita no primeiro verso, foi retomada no verso seguinte através da palavra



A(    ) hábito.
B(    ) raríssimamente.
C(    ) ela.
D(   )  dói.



09. O “eu-lírico” não vai ao cemitério visitar os pais porque

A(    ) não sente saudades.                         C(    ) não é dia de finados.
B(    ) não gosta de cemitérios.                    D(   ) lembra-se deles em qualquer lugar


Leia atentamente o texto abaixo e responda às questões que seguem: (5 acertos)
           
              Não foi há muito tempo. Cheguei à praia com minhas filhas e encontrei um aglomerado de cidadãos. Eles montavam guarda num pequeno trecho da areia, caras alarmadas, pior: pungidas. Não fui eu que vi o grupo: foi o grupo que me viu e dois de seus membros vieram em minha direção, delicadamente me afastaram das meninas  e comunicaram: “__ Tire depressa suas filhas daqui”. As palavras foram duras mas o tom ameno, cúmplice. Quis saber por quê. Em voz baixa, conspiratória, um dos cidadãos me comunicou que ali na arrebentação, boiando como uma anêmona, alga desprendida das profundezas oceânicas, havia uma camisinha, que na época atendia pelo nome poético de “Camisa de Vênus”.
              O grupo de cidadãos, num tempo em que direitos e deveres da cidadania ainda esperavam pela epifania de Betinho, ali estava desde cedo alertando pais incautos, como se a camisinha fosse uma pastilha de material nuclear, uma cápsula de césio com pérfidas e letais emanações.
              Não me lembro da reação que tive, é possível que tenha levado as meninas para outro canto, mas tenho certeza de que nem alarmado fiquei. Hoje a camisinha aparece na televisão, é banal e inocente como um par de patins, um aparelho de barba.
              Domingo último, levando minhas seltters à única praia em que são permitidos animais domésticos, encontrei um grupo de cidadãos em volta de uma coisa. Não era aquele monstro marinho que Feline colocou no final de um dos seus filmes. Tampouco era uma camisinha, que as praias estão cheias dela, mais numerosas que as conchas de antigamente. O motivo daquela expressão de cidadania era uma seringa que as águas despejaram na areia. O objeto, na certa infectado, trazendo na ponta da agulha o vírus da AIDS que algum viciado ali deixara, para contaminar inocentes e culpados. Daqui a dois anos, cinco anos, espero que a AIDS não mais preocupe a humanidade. Mas os cidadãos continuarão alarmados, descobrindo novas misérias na efêmera eternidade das espumas.
                                            (Carlos Heitor Cony. Folha de São Paulo, p. 12, 09/01/98)

                              Interpretação do texto
10 –  Assinale a alternativa que apresenta o título mais adequado para o texto:

A(   ) O passado da camisinha.
B(   ) O caráter efêmero das preocupações humanas.
C(   ) O vírus da AIDS: um perigo para a HUMANIDADE.
D(   ) Notícia de última hora.

11 - Todas as alternativas abaixo apresentam afirmações que podem ser confirmadas pelo texto, EXCETO em:

A(   ) A humanidade encontra razão para alarme em todas as épocas.
B(   ) As preocupações da humanidade mudam, mas existem sempre.
C(   ) As preocupações do presente são mais  sérias do que as do passado.
D(    ) As pessoas procuram alertar os pais sobre os males da humanidade.



12 -Todas as afirmativas  contêm afirmações corretas sobre o texto, EXCETOem:

A(   ) O autor usa dois fatos para fazer reflexões sobre o ser humano.
B(   ) O cronista tece considerações sobre o futuro da humanidade.
C(  ) O narrador sugere que o sexo vai continuar sendo um tabu entre os homens.
D(    ) O narrador faz referências a fatos do cotidiano.

13 - Em todas as alternativas, o significado das palavras destacadas está correto, Exceto em:

A(   ) ... como se a camisinha fosse (...) uma cápsula de césio com pérfidas e letais emanações.( emanações significa contaminação)
B(   ) O grupo de cidadãos(...) ali estava desde cedo, alertando pais incautos...
( incautos significa desvairados)
C(   ) ...como se a camisinha fosse(...) uma cápsula de césio com pérfidas e letaisemanações. ( letais significa mortais)
D(    ) ... ainda esperavam pela epifania de Betinho... ( epifania significa manifestação divina)

14-Todas as alternativas contêm afirmações corretas sobre a construção do texto, Exceto:

A(   ) O autor usa a exemplificação para evidenciar diferentes posturas em relação ao conceito de cidadania.
B(   ) O autor usa o diálogo, para dar vivacidade à cena narrada.
C(   ) O autor utiliza uma linguagem clara, resumida para garantir objetividade.
D(   ) O texto foi escrito em 1ª pessoa.

15-“O motivo daquela expressão de cidadania era uma seringa que as águas despejaram na areia.” Na passagem, o autor mostra:

(   ) alarmado         (   ) deprimido           (   ) alegre           (   ) irônico


Confira tudo e BOA  PROVA!!!








Nenhum comentário:

Postar um comentário